Conectividade

“No mundo de hoje só sobrevive quem está conectado”. Acho que todos ouvimos essa frase vez ou outra… E quem a diz é um grande mentiroso ou quer te manipular. Conectividade é a palavra da moda há quanto tempo? Uma década? Mais até? Desde o advento e popularização da internet?

A verdade, simples e crua, é que cada um faz sua própria conectividade. Ninguém precisa receber emails a cada 30 segundos pelo seu Blackberry ou iPhone. Ninguém precisa ver sua caixa de entrada a cada café com internet wireless que cruza pela cidade. Fazer isso é uma escolha de cada um, como tudo na vida.

Quem vive em função do seu aparelho móvel escolheu ser assim, porque ainda existem (aos céticos: fiquem chocados!), em pleno século XXI, pessoas que não dão a mínima para sequer possuir um telefone celular. E não é um dos modernos. Não tem nenhum, sequer um Motorola StarTAC modelo 95, daqueles em que só dava pra inserir 8 dígitos do telefone, que já preenchiam o display.

Tenho um amigo que não tem celular. Falar com ele? Só ligando em casa ou passando por lá e esperando ele chegar. E a vida dele funciona bem assim. Lembro que ele até tentou comprar um celular, dos mais simples, nada de extravagâncias, fazia e recebia ligações, mandava e recebia mensagens e pronto. Durou 2 semanas… Ele se esquecia de carregar a bateria do coitado. Virou sucata antes mesmo de ser sucata.

Não sei se o tal amigo é realmente desconectado disso, ou prefere assim para manter a sua privacidade intacta. Seu direito de ir e vir sem ser acometido por alguém ligando ou mandando mensagem a cada 5 minutos. Curioso que cada vez mais as pessoas se preocupam com a sua dita privacidade, ao mesmo tempo em que estão cada vez mais “disponíveis”. Orkut, Facebook, Twitter, email, celular. Contas e mais contas, cada vez mais pessoas ligadas de uma forma tênue, recebendo e enviando informações a todo instante.

É  o fim da privacidade plena? Estar conectado significa, em um nível ou outro, estar disposto a ser incomodado? Disposto a receber um SMS na hora errada. Um telefonema no pior momento. Colocar no silencioso é só uma medida temporária.

Ou talvez seja só uma questão  de se adaptar a tudo isso. Aceitar que as relações hoje são mais imediatas, que vivemos numa sociedade acostumada com o “enter” e com o “send”. Que ao apertar essas teclas esperamos uma resposta, uma reação.

No caso do amigo acima citado, esperar a resposta é em vão. Não sei quando ele vai receber o recado, quanto mais responder. Mas todos acabam se adaptando a isso. E de qualquer forma, tudo se resolve, mesmo sem o celular. Nunca passou aperto e, se precisa, existe sempre um telefone público ali na esquina para resolver o problema. Mas e a agenda telefônica?

Caímos aqui em uma outra questão da conectividade: nos tornamos dependentes dela. É difícil encontrar alguém hoje em dia que sabia números de telefone de cor. Porque não precisa, afinal, tudo está a um toque de distância, não?

Tenho outro amigo que decora número de telefone com uma facilidade incrível. Se ele tivesse 5 anos eu diria que ele é um prodígio, mas ele tem 22, então ele só tem uma memória realmente boa. Aperto com ele não existe no quesito “qual o número de fulano, mesmo?”. Ele sabe e nunca erra. E decora ouvindo o número uma ou duas vezes. É realmente incrível.

Penso que se pudesse unir a capacidade de não ligar pro mundo do amigo # 1 com a habilidade quase sobrehumana de decoração de números do amigo # 2, teria aqui o perfeito exemplo de uma pessoa que nunca precisaria de qualquer aparelho conector.

Mas se você não é igual a nenhum dos dois, sugiro que escolha sua própria conectividade. Escolha, aceite, não se importe e seja feliz.

Texto: F. Garrido

Advertisements

2 responses to “Conectividade

  1. Meu jargão aqui cai bem: disponível ñ é disposto! Isso resolve, em partes, a problemática da privacidade.

  2. “Tenho outro amigo que decora número de telefone com uma facilidade incrível. Se ele tivesse 5 anos eu diria que ele é um prodígio, mas ele tem 22, então ele só tem uma memória realmente boa.” é a minha parte preferida.

    não decoro o telefone de ninguém.

    e amigos como o seu #1 estão errados e vão sumir. uhhh

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s